Tigelas da Lola e da Nina

Todos gostamos de depoimentos e hoje vem um dos mais importantes pra Cãolinária. Por que? Porque é graças a esta história que a Cãolinária existe! Segue abaixo o depoimento da Renata da equipe Cãolinária, sobre a Nina e a Lola.

A Nina foi retirada do lixão de uma favela no dia 25/01/2012. Ela, os irmãos e a mãezinha (que já divulgamos para adoção em nossa pagina do facebook e ainda busca um lar).

Os 4 primeiros meses da Nina foi para o tratamento de parasitas e vermes. Eram muitos, muitos. 4 meses à base de antibióticos e vermífugos.  Aos 8 meses foi constada a primeira alergia, uma picada de pernilongo em uma das patas que virou uma bola. Novamente retomamos aos antibióticos.

Com 1 ano ela apresentou alergia à vacina. O rosto ficou muito inchado e ela corria o risco de sufocar, devido ao fechamento da glote. Sempre tomando os cuidados necessários, mas a cada alergia, uma surpresa.

Eram diferentes formas de manifestações alérgicas. Eram erupções na pele (que sangravam muito), rosto inchado, assim como a gengiva, feridas, outras vezes ela parecia que tinha “engolido” o plástico bolha. Foi 1 ano tratando de todas as formas de alergia dela que vinham desde a vacina até contato com formigas.

Minha casa foi toda adaptada aos cães. Moro em apartamento com a minha mãe, não temos carpete, o piso é frio (o que facilita a limpeza e não proliferação de pulgas). Ela, desde pequena, usava produtos antialérgicos, assim como toda roupa de cama era trocada todos os dias, devido ao grau de agressividade que eram as alergias. As alergias não coçavam, elas queimavam, várias eram as manhãs que acordávamos com a Nina gritando e se debatendo nos móveis para que aquela dor cessasse.

Foi 1 ano a tratando com corticóides, que a deixaram extremamente inchada e, com isso, a medicação acabou atacando alguns órgãos dela (baço, fígado) até chegar ao sistema neurológico.

Eu convivo com animais desde quando nasci, até animais muito alérgicos, mas o grau de alergia da Nina era preocupante. Eram 8 veterinários cuidando dela, além de programas de TV, jornal, saí dando entrevista para vários veículos com a esperança de que algum veterinário lesse ou visse a matéria e tivesse “a fórmula mágica” de cura pra uma cachorra tão nova e que sofria tanto.

Até que 3 amigas vieram conversar comigo sobre a AN – alimentação natural caseira. Uma delas foi a veterinária da Nina, a Dra Janaína Reis, a outra foi a Vanessa Requeijo (dona da Cãominhando creche para cães) e a Andréia Freitas (uma amiga protetora que cuidou da Nina antes dela vir pra minha casa). Foram dias de conversa e decisões do que seria melhor para a Nina.

Fui parar no consultório da Dra Sylvia da Cachorro Verde, que prescreveu uma dieta bem restrita, mas que seria necessária, justamente para que a Nina se desintoxicasse das medicações e apresentasse alguma melhora efetiva. Minha função era: em uma dieta tão restrita eu tinha que variar a tigela para que ela absorvesse a maior quantidade de nutrientes.

Já no primeiro mês a Nina não teve mais necessidade dos corticóides. No segundo mês, foi feito o “desmame” das medicações. No terceiro, a Nina já não tomava mais nenhum remédio, o que fez com que a Dra Sylvia liberasse mais alimentos e ela tivesse maior diversidade na alimentação.

A Alimentação Natural Caseira foi o que salvou a vida da Nina.

Antes disso, também fizemos a titulação de anticorpos da Nina para saber se mesmo com as vacinas ela estava protegida de doenças como: parvo, cinomose, hepatite… Descobrimos que ela não produzia anticorpos, a Nina era autoimune.

Foi através da AN que ela voltou a produzir os anticorpos e hoje está protegida de todas as doenças, inclusive, tomou vacina numa boa sem apresentar reação. Os problemas neurológicos desapareceram, assim como os exames dela estão todos bem.

Minha outra cachorra entrou na AN também, a Lola, pois ela precisava perder peso e fazer a mesma dieta da Nina para que a irmã tivesse sucesso com a dieta. Hoje Lola está modelo, de cinturinha e AMA AN!

E foi através da cura da Nina que resolvemos fundar a cãolinária, que tem o objetivo de propagar a AN e com isso informar mais tutores a buscar um meio natural para cura de doenças que muitas vezes vem através da alimentação e principalmente, orientar na variação da tigela, pois só através da variação o animalzinho consegue absorver todos os nutrientes que precisa.

Nina - Antes e Depois-01

 

Depoimento-Renata-LolaeNina-01

As fotos foram disponibilizadas pela própria Renata. As alergias da Nina eram MUITO tristes e, por isso, evitamos as imagens. Caso alguém tenha curiosidade, por favor, entre em contato conosco para que possamos mostrar, SIM, como a AN salvou a vida dela!

Toda a sua curiosidade sobre “mas de onde será que essas doidas inventaram a Cãolinária?” foram sanadas? Então agora é a sua vez: conte pra gente como é a sua experiência e a de seu bichinho com a AN. Não precisa ter vergonha, não. Adoramos receber os depoimentos e somos super emotivas! Escreva pra nós: depoimento@caolinaria.com.br.

 

 

  2 comments for “Tigelas da Lola e da Nina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: